UFRJ recebe supercomputador de 226 teraflops mais 'econômico'


Lobo Carneiro foi instalado em instituto da UFRJ. Sistema de alto desempenho permite maior eficiência energética e operação remota.

O Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ) inaugurou nessa semana o Supercomputador Lobo Carneiro. Trata-se do mais potente instalado em uma universidade federal do país.

O novo supercomputador foi montado pelos pesquisadores da Coppe, em parceria com técnicos da startup brasileira Versatus HPC e Silicon Graphics International (consórcio vencedor da licitação), no Núcleo Avançado de Computação de Alto Desempenho (Nacad) da Coppe.

Com capacidade de 226 teraflops, o supercomputador pode executar 226 trilhões de operações matemáticas por segundo. O grande destaque do sistema é seu alto desempenho com grande eficiência energética. Em um momento que outro supercomputador, também instalado no estado do Rio, o Santos Dummont, ameaça ser desligado por falta de verba para a conta de energia elétrica, o Lobo Carneiro mostra vantagens.

“A relação capacidade computacional e eficiência energética do Lobo Carneiro é muito boa. O sistema foi concebido para preservar ao máximo a vida útil do equipamento e a operação pode ser feita remotamente, de forma segura, com autocontrole e redundância. Esse modelo de sistema de engenharia não tem precedentes no país”, explicou o professor Guilherme Travassos, do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação da Coppe Além disso, o Lobo Carneiro pode ser operado remotamente, uma vez que seu sistema dispensa acompanhamento presencial 24 horas por dia, como é a regra para os demais computadores de alto desempenho em atividade no Brasil. Segundo Marcelo Pinheiro, diretor Comercial e de Produto da Versatus, o padrão é que haja ao menos um profissional presente no centro de operação de um computador de alto desempenho para tomada de decisão. "O datacenter do Nacad é completamente diferente. Ele é remoto, não tem staff. Esse é um setup que não costuma ser usado, porque dispensa a redundância de equipamentos, que só seriam usados na falha dos equipamentos ´titulares´. Nesse setup não é necessário gerador, aparelhos de ar condicionado e no-breaks extras. Qualquer possível falha, o equipamento desliga sozinho e se preserva", esclareceu. Alto desempenho O Lobo Carneiro equivale a seis mil computadores caseiros, ele será usado para otimizar pesquisas científicas em diferentes setores da indústria, incluindo pesquisas de petróleo e gás e energias renováveis. Outra possibilidade do supercomputador prevista é a da otimização da malha de energia, assim como a transferência energética dentro do Sistema Interligado Nacional (SIN). “Nosso sistema pode ser usado em diversas circunstâncias, desde a previsão de desastre naturais, circulação de correntes na Baía de Guanabara, simulando a direção que está sendo tomada por manchas de óleo em decorrência da acidentes de diferentes perfis, e vazamentos em decorrência de acidentes em plataformas ou navios petroleiros”, ressaltou Travassos. O sistema como um todo, que envolve o próprio computador, o sistema de refrigeração, de proteção de energia e o ambiente inteligente para controle a automação, custou R$ 10 milhões, com recursos da Lei de Incentivo ao Desenvolvimento da Indústria do Petróleo e do Gás Natural. Travassos ressalta a importância do supercomputador para o país. “Para nós, o computador é a porta para o futuro”. Ele acrescentou que o valor do investimento no projeto também contempla a manutenção de todo o sistema por três anos. “Então, há uma sobrevida de manutenção e o investimento futuro será proporcional aos projetos que serão desenvolvidos”. O Lobo Carneiro foi inaugurado na quarta-feira (12) em solenidade no Centro de Tecnologia 2 (CT2), na Cidade Universitária, na presença do ministro de da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab. “É um computador que está atrelado ao desenvolvimento do país, que precisa investir em pesquisa para poder avançar em tecnologia, se modernizar e a UFRJ e a Coppe dão um passo importante nesse sentido”, ressaltou Kassab. O supercomputador terá seu uso compartilhado por pesquisadores da Coppe, de outras unidades da UFRJ, centros de pesquisa de instituições e empresas públicas e privadas. *Com Agência Brasil/ Foto: Tomaz Silva

Posts Em Destaque
Posts Recentes